ENFERMAGEM

ENFERMAGEM
É ISTO

terça-feira, 5 de setembro de 2017

ANTROPOLOGIA - DENTES - 3

    Cada dente é formado por uma ou mais raízes, por um colo e pela coroa:
    
    É na superfície da coroa que se distinguem pequenas saliências, denominadas tuberosidades ou cúspides, separadas entre si por sulcos primários e secundários, sonsoante a sua profundidade:
    As raízes dos dentes alojam-se nos alvéolos dos maxilares através duma articulação alvéolo-dentária ou gonfose:
    As dimensões dos alvéolos são directamente proporcionais às dimensões das raízes dos dentes.
    A raiz contém a polpa dentária, onde se encontram os vasos sanguíneos e linfáticos e os nervos do dente.
    Os dentes incisivos têm o bordo cortante, talhado em bisel, preparado para cortar.
    Os dentes caninos são pontiagudos, mas as suas dimensões não excedem, no Homem, quer na arcada superior, quer na arcada inferior, o nível dos outros dentes, pelo que a interlinha dentária se situa num plano único.
    Destinam-se a rasgar os alimentos.
    No Homem não se observa a existência dum espaço vazio ou diastema, junto dos dentes caninos, nem se observa nos primatas, seus prováveis antecessores, mas está presente em todos os mamíferos com dentes caninos robustos.
    O diastema é uma característica presente nas dentições dos antropóides fósseis e actuais, de muitos símios e de outros mamíferos.
    O diastema está directamente relacionado com as dimensões relativas dos dentes caninos, cujo volume define os animais que possuem uma alimentação predominantemente carnívora ou predominantemente herbívora.
    As arcadas dentárias do Homem, não possuindo diastema, são consideradas arcadas completas ou não interrompidas.
    Os dentes molares possuem uma coroa larga, destinada a moer os alimentos.
    Os dentes pequenos molares são aparentemente bicúspidos; o seu tubérculo externo ou labial é geralmente mais volumoso do que o tubérculo interno ou lingual.
    Os dentes grandes molares, porém, possuem uma morfologia mais complexa, mas, na superfície das suas coroas, costuma reconhecer-se a existência de três cúspides ou tubérculos fundamentais.
    As dimensões relativas e a morfologia dos dentes grandes molares superiores são, no Homem como em qualquer outro mamífero, mais regulares do que a dentição da arcada mandibular.
    Esta diferença anatómica é uma constante, pois constitui uma regra que se observa em todos os animais superiores.
    A sua verificação está em relação com o coeficiente evolutivo, involutivo ou de variação dos ossos maxilares, uma vez que este factor é mais acentuado na mandíbula porque o osso maxilar inferior possui uma morfologia mais instável do que aquela que se verifica no osso maxilar superior e na porção correspondente da face ou no focinho.

Sem comentários:

Enviar um comentário